Falha na regeneração do filtro de partículas do Ford Ranger. Onde está o defeito?


Assista o vídeo abaixo ou leia o conteúdo completo sobre a falha na vela vaporizadora do Ford Ranger! O conteúdo é parte de uma live com o Suporte Técnico da Doutor-IE.

Inscreva-se no canal da Doutor-IE no YouTube e acompanhe as melhores dicas de reparação automotiva!

Veículo:

  • Ford Ranger 3.2 20V 5 Cil. Turbo 200cv (Duratorq)/Continental Siemens SID 208 – ano 2015

Sintomas apresentados:

  • Veículo chegou na oficina parceira com a lâmpada de aviso do trem de força acesa no painel de instrumentos;
Lâmpada de aviso do trem de força.
Lâmpada de aviso do trem de força.
  • A UCE do motor entrava em modo de emergência e apresentava limitação de potência.

Verificações iniciais:

  • Com o auxílio de um scanner automotivo, nosso cliente acessou os códigos de falha que estavam presentes. Os códigos de falha apresentados eram o seguintes:
    • P24A4 – Obstrução no filtro de partículas por acúmulo de fuligem – banco 1;
    • P2463 – Obstrução no filtro de partículas por acúmulo de fuligem;
    • P246B – Condições do veículo para que ocorra a regeneração do filtro de partículas não foram satisfeitas;
    • P244C – Temperatura dos gases de escape muito baixa para que ocorra a regeneração do filtro de partículas no banco 1;
  • Ainda com o auxílio do equipamento de diagnóstico, o reparador também constatou que o veículo apresentava um nível elevado de carbonização no DPF, através da leitura de parâmetros como temperaturas e pressão do filtro de partículas.

Detalhes do sistema:

  • As informações sobre níveis de pressão e temperaturas do filtro de partículas são enviadas à UCE por quatro sensores diferentes, são eles: sensor de pressão diferencial, sensor de temperatura na entrada, sensor de temperatura na saída e sensor de temperatura no filtro de partículas. O diagrama presente na Plataforma Doutor-IE mostra as ligações destes sensores com a UCE;
Esquema elétrico dos sensores do filtro de partículas.
Esquema elétrico dos sensores do filtro de partículas.
  • Este modelo da Ford Ranger é equipado com um sistema que serve para facilitar a regeneração do filtro de partículas. Este sistema funciona com a vaporização de diesel no interior do escapamento, que melhora as condições para a eliminação de resíduos acumulados no DPF;
  • O processo de vaporização do combustível é feito por um componente chamado de vela vaporizadora, que fica alocado no escapamento do veículo, antes do catalisador. Quando o sistema de regeneração é acionado, uma bomba elétrica pressuriza diesel através de uma mangueira para o elemento aquecedor da vela vaporizadora, injetando diesel vaporizado na corrente dos gases de escape. O diesel vaporizado ajuda a elevar a temperatura do filtro de partículas, dando condições para que a regeneração ocorra de forma mais fácil;
Componentes da vela vaporizadora da Ford Ranger.
Componentes da vela vaporizadora da Ford Ranger.
  • Idealmente o veículo deve regenerar o filtro de partículas de forma automática, quando o motorista trafega por longos períodos e com velocidade constante (ex. trânsito rodoviário). Entretanto, nos veículos submetidos estritamente ao trânsito urbano, com deslocamentos em trechos curtos, a regeneração automática pode não ocorrer como deveria. Nessas condições, mesmo em veículos com sistemas de otimização da regeneração do DPF, como a vela vaporizadora aplicada ao Ford Ranger, percebe-se problemas de obstrução por fuligem no filtro de partículas.

Procedimentos realizados:

  • Neste veículo, duas estratégias podem ser adotadas quando identifica-se que há excesso de resíduos no DPF:
    • Uma é a regeneração forçada através de um scanner automotivo habilitado para o procedimento, efetuada por um reparador. Segundo o fabricante, a regeneração forçada pode durar até 40 minutos, dependendo da quantidade de resíduos acumulados, temperatura do ar externo e altitude local;
    • A outra é a remoção do DPF para executar a limpeza manual, com vapor quente e produtos químicos específicos para esta aplicação.
  • O reparador optou por fazer a regeneração forçada via scanner automotivo. Após o procedimento, o nível de carbonização do filtro de partículas continuou elevado, indicando que não houve sucesso no procedimento;
  • Com isso, o reparador decidiu efetuar a limpeza manual. Após o procedimento, os códigos de falha referentes ao DPF, gravados na UCE, foram apagados via scanner;
  • A partir daí, verificou-se através da leitura dos parâmetros, que os níveis de temperatura e pressão do filtro de partículas estavam adequados, indicando que o filtro estava desobstruído. Desta forma, concluiu-se que o problema estava resolvido e o veículo poderia ser liberado.

Problema não solucionado:

  • Após rodar algumas centenas de quilômetros, o veículo retornou à oficina com os mesmos sintomas de defeitos, luz do painel acesa, códigos de falha relacionados ao filtro de partículas e limitação de potência.

Verificações adicionais:

  • A primeira hipótese levantada foi que o filtro de partículas – DPF teria chegado ao fim da sua vida útil e necessitaria de substituição;
  • Uma última tentativa de regeneração forçada foi feita para que se tivesse a certeza da necessidade de substituição do filtro;
  • Durante o processo de regeneração, identificou-se um vazamento de combustível embaixo do veículo;
  • Constatou-se que o vazamento tinha origem na mangueira de alimentação de combustível da válvula vaporizadora;
  • Por ficar no escapamento do veículo e sob altas temperaturas, pode ocorrer o ressecamento da mangueira de alimentação de combustível da vela vaporizadora. Este problema é recorrente no Ford Ranger com as motorizações 2.2 e 3.2, fabricados de 2013 a 2016. Aqui no Suporte da Doutor-IE já nos deparamos várias vezes com esse tipo de atendimento;
  • O ressecamento desta mangueira pode comprometer a entrada de combustível para o processo de regeneração e, assim, a eliminação dos resíduos não é feita de forma adequada, deixando o filtro de partículas parcial ou totalmente obstruído.

Solução encontrada:

  • Substituição da mangueira de alimentação de combustível da vela vaporizadora.

Dica:

  • Outro problema recorrente nos veículos equipados com vela vaporizadora, é o entupimento do orifício de saída da vela por excesso de carbonização. Por ser um orifício pequeno, o acúmulo de resíduos pode comprometer o sistema de regeneração;
Carbonização excessiva - obstrução parcial do orifício de saída da vela.
Carbonização excessiva – obstrução parcial do orifício de saída da vela vaporizadora.

Além disso, o entupimento do orifício de saída da vela vaporizadora pode causar a elevação na pressão da entrada de combustível da vela. Isto pode romper a mangueira de alimentação de Diesel (na entrada da vela vaporizadora), mesmo que não apresente ressecamento.