Variador de fase do Chevrolet Cruze Ecotec6

Código P0016 – Falha de correlação entre os sinais do sensor de rotação – CKP e do sensor de fase – CMP. O que pode ser?


 

Assista ao vídeo abaixo ou leia o conteúdo completo sobre o problema de correlação entre os sinais do sensor de rotação (CKP) e do sensor de fase (CMP) do Chevrolet Cruze Ecotec6! O conteúdo é parte de uma live com o Suporte Técnico da Doutor-IE.

Inscreva-se no canal da Doutor-IE no YouTube e acompanhe as melhores dicas de reparação automotiva!

Veículo:

  • Cruze 1.8 16V Ecotec6 140/144cv (N18XFF – LFH)/Multec H – ano 2013

Detalhes:

  • Veículo chegou na oficina parceira apresentando perda de potência e código de falha P0016 gravado na memória da UCE;
  • Proprietário relatou já ter levado o veículo em outras oficinas antes, sem solução;
  • Foi feita uma retífica no cabeçote antes de começar a apresentar o defeito;
  • Os veículos Cruze 1.8, com motor Ecotec6, têm sensores de fase e eletroválvulas do variador de fase tanto no comando de válvulas de admissão como no de escape.

Testes realizados:

  • Em outras oficinas o conjunto de sincronismo do motor tinha sido revisado (comando de válvulas, virabrequim, polias, etc) e a substituição da correia dentada já tinha sido feita.

Análise do problema:

  • Primeiramente, solicitou-se que o nosso cliente fizesse a coleta dos sinais CKP x CMP, com osciloscópio, para que uma análise mais detalhada fosse feita e pudéssemos entender o que estava gerando o código de falha, como uma falha de sinal, amplitude inadequada, problema em um dos sensores, etc. A coleta foi feita com base no diagrama elétrico da Doutor-IE;
Esquema elétrico das ligações dos sensores de fase e rotação.
Esquema elétrico dos sensores de fase e do sensor de rotação.
  • No Suporte Técnico da Doutor-IE, já pegamos casos em que a UCE gera o código P0016 (Falha de Correlação entre os Sinais do CKP e do CMP) e a falha não está relacionada diretamente ao sincronismo do motor, e sim, ao sinal de um dos sensores;
  • Na análise da coleta dos sinais enviados pelo cliente verificou-se o seguinte:
    • Comparando com o manual de oscilogramas deste veículo, presente na Plataforma Doutor-IE, concluiu-se que o comando de válvulas de escape estava no ponto. Entretanto, a posição relativa entre os sinais do sensor de fase de admissão e do sensor de rotação estava deslocada em 8 dentes (da roda fônica do virabrequim), quando comparada ao gráfico de referência, ou seja, fora do ponto. As imagens abaixo são do oscilograma presente na Plataforma da Doutor-IE, utilizado como referência para a análise, e da coleta dos sinais enviada pelo cliente;
Oscilograma presente na Plataforma Doutor-IE
Oscilograma do sincronismo do motor presente na Plataforma Doutor-IE.
Coleta dos sinais enviada pelo cliente - defeito presente
Coleta dos sinais enviada pelo cliente – defeito presente
    • Antes de comparar os oscilogramas, havia a suspeita de que a engrenagem do eixo virabrequim tivesse “girado em falso”, pulando alguns dentes da correia dentada. Se fosse essa a situação, os dois comandos apresentariam o mesmo deslocamento. Entretanto, somente a posição relativa entre os sinais do sensor de fase de admissão e do sensor de rotação estava deslocada. Por isso esta suspeita foi descartada;
    • Como o histórico do veículo apontava que outros serviços já tinham sido feitos em relação ao sincronismo do motor, era preciso confirmar se o ponto mecânico estava certo. Solicitou-se então que o reparador revisasse o ponto mecânico com as ferramentas de sincronismo.
  • Mesmo após confirmar os pontos de sincronismo do motor, o sistema de injeção voltou a apresentar o código P0016 assim que o motor entrou em funcionamento;
  • Dessa forma, algumas possibilidades foram levantadas:
    • Comando das válvulas torcido;
    • Problema mecânico no variador de fase;
    • Problema na eletroválvula do variador de fase;
  • Inicialmente, foi sugerido ao reparador que fizesse uma análise minuciosa nos mecanismos dos comandos variáveis de admissão e escape, em busca de algum defeito mecânico nos atuadores. Com isso, constatou-se que a parte mecânica estava em bom estado e descartou-se esta possibilidade;
  • Em seguida solicitamos uma análise visual das eletroválvulas dos variadores de fase onde percebeu-se que a eletroválvula do variador de fase do comando das válvulas de admissão, se comparada com a do comando de escape, estava sem uma das peneiras de retenção. Uma espécie de filtro que ajuda a eliminar impurezas que podem prejudicar o sistema hidráulico dos variadores de fase;
  • Com essa informação, nosso cliente fez o teste de substituir a eletroválvula que estava sem a peneira por outra em perfeito estado e realizou novamente a coleta dos sinais com o osciloscópio;
  • Com a nova coleta em mãos, verificou-se que a posição relativa dos sinais dos sensores de fase e do sensor de rotação estava agora coincidindo com o oscilograma publicado na Plataforma Doutor-IE. Concluiu-se que a eletroválvula do variador de fase do comando de válvulas de admissão estava defeituosa, provavelmente com problemas nas vedações internas. O problema pode ter ocorrido por estar sem a peneira, o que possivelmente facilitou a entrada de resíduos.

Solução encontrada:

  • Foi necessária a substituição da eletroválvula do variador de fase do comando de válvulas de admissão, que estava danificada, provavelmente por excesso de resíduos.

Dica:

  • Ao fazer a análise simultânea dos sinais dos sensores de fase e rotação, em motores com comando de válvulas variável, sempre que você verificar problemas de sincronismo, dê uma atenção especial às eletroválvulas e aos mecanismos dos variadores de fase. Eles podem estar travados, sem atuação, com problemas na vedação interna, etc;
  • Ao efetuar qualquer procedimento de montagem e desmontagem no motor, certifique-se que todas as peças do mecanismo desmontado sejam reinstaladas corretamente (arruelas, juntas, peneiras, pré-filtros, o-rings, etc.). A falta de algum destes componentes pode comprometer o funcionamento de todo o sistema;
  • Frisamos a importância de iniciar esse tipo de diagnóstico com o uso de um osciloscópio. Sem isso, a dificuldade e o tempo perdido para encontrar a solução seriam bem maiores.

Você sabe utilizar o osciloscópio? Conheça os cursos online da Doutor-IE.