Airbag SRS automotivo


 

O Airbag é um importante componente de segurança para veículos e um dos principais sistemas de proteção para condutores e passageiros, obrigatório nos carros fabricados no Brasil desde 2014. Traduzindo, airbag significa bolsa de ar.

De forma resumida, o sistema de airbag é acionado quando o veículo sofre um impacto. Sensores espalhados de forma estratégica no carro (parte frontal, traseira, lateral e central) identificam o impacto, emitindo um sinal para a unidade de controle do sistema. A UCE (Unidade de Comando Eletrônica) identifica através dos sensores qual parte do veículo foi atingida e aciona o(s) airbag(s) necessário(s).

O airbag também é conhecido e associado com a sigla SRS (Supplemental Restraint System), traduzindo: Sistema de Restrição Suplementar.

Vários fatores podem ocasionar uma falha no sistema, e consequentemente a luz de anomalia no sistema airbag pode acender no painel do veículo. Logicamente o seu diagnóstico possui cuidados importantes que devem ser observados no momento da reparação.

Estrutura de segurança e sistema airbag Ford Edge
Estrutura de segurança e sistema airbag Ford Edge. Imagem retirada do site https://www.automobilemag.com/

De modo geral o sistema de Airbag possui uma série de componentes que, em conjunto, permitem o acionamento das bolsas de ar que suavizam o impacto de uma colisão ao condutor e passageiros.

Nesse texto você vai aprender :

Falando em segurança, existe um Programa de Avaliação de Carros Novos para América Latina e o Caribe (Latin NCAP) que oferece aos consumidores informação independente e transparente sobre os níveis de segurança que tem os diferentes modelos de veículos no mercado. A Latin NCAP utiliza métodos de ensaio internacionalmente reconhecidos e qualifica entre 0 e 5 estrelas a proteção oferecida pelos veículos para ocupantes adultos e ocupante criança. Um dos principais pontos a serem analisados é justamente sobre o sistema de airbag.

Conheça mais sobre a Latin NCAP e veja os vídeos dos testes, clicando aqui. São impressionantes! Por exemplo, veja o resultado do crash test do Chevrolet Onix, um dos carros mais vendidos no mercado brasileiro.

 

Principais componentes do sistema de airbag

Conheça os principais dispositivos do sistema airbag e suas particularidades para diagnóstico e reparação.

 

Sensores de Impacto

Os veículos podem ter um ou mais sensores para identificar um impacto. Normalmente ficam localizados na parte frontal, traseira e lateral da carroceria. Os sensores de impacto se comunicam diretamente com a UCE indicando a colisão através de um sinal elétrico que ativa a ignição do gerador de gás.

Sensor de impacto - componente do airbag
Sensor de impacto - componente do airbag

 

Unidade de Comando Eletrônica (UCE)

Sua localização varia entre os modelos, mas é normalmente encontrada próximo aos bancos dianteiros do veículo. Na central de comando é incorporado um sensor de desaceleração que determina o acionamento das bolsas de ar e dos pré tensionadores em colisões frontais.

Unidade de controle UCE do airbag
Unidade de controle UCE do airbag

 

Bolsa de ar - airbags

Existem vários tipos de bolsas de airbag. Veja as mais comuns:

  • Airbags frontais – Item obrigatório atualmente. Estão localizadas no volante e no painel à frente do passageiro.
  • Airbags laterais – Protegem o torso dos ocupantes.
  • Airbags de cortina – Cobre a área das janelas, protegendo cabeça e pescoço.
  • Airbags de joelho – Estão localizados abaixo do painel e impedem ferimentos nas pernas.
  • Airbag central – Tipo de bolsa que infla no meio do console, protegendo os ocupantes internamente, inclusive um do outro.
  • Airbag de cinto – Localizado na extensão do cinto de segurança, como proteção extra, principalmente para pessoas menores.
  • Airbag de capô – Bolsa para proteger o pedestre, evita maiores ferimentos contra o capô ou para-brisa.

O tempo para preenchimento total de uma bolsa é de aproximadamente 40 milissegundos, rapidez que só é possível através do dispositivo pirotécnico gerador de gás. As bolsas são contempladas com furos nas laterais que permitem a saída de ar após o enchimento completo.

Bolsa de ar - componente do airbag
Bolsa de ar - componente do airbag

 

Pré tensionadores

Os pré tensionadores, localizados junto ao cinto de segurança, tanto na fivela quanto na coluna, possuem um dispositivo pirotécnico gerador de gás que dispara em situação de colisão. Esse disparo tensiona o cinto de segurança em uma velocidade de aproximadamente 20 milissegundos, impedindo que o ocupante se desloque no assento durante o impacto.

Pré tensionador - componente do airbag
Pré tensionador - componente do airbag

 

Sensor de ocupação

Junto ao banco do passageiro o sensor de ocupação indica a UCE a presença de ocupantes. Alguns sensores mais modernos também classificam o ocupante, dessa forma a bolsa infla em estágios diferentes. Na ausência de um passageiro não há a ativação da bolsa de ar.

Sensor de ocupação - componente do airbag
Sensor de ocupação - componente do airbag

 

Gerador de Gás (Dispositivo pirotécnico)

É composto por um ignitor e, em geral, por Nitrato de Amônia e Azida de Sódio, quando são aquecidas geram uma brusca reação química, gerando gás muito rápido. O gerador de gás proporciona uma reação química de explosão controlada onde há o preenchimento de ar quase instantâneo das bolsas.

Gerador de gás / dispositivo pirotécnico - componente do airbag
Gerador de gás / dispositivo pirotécnico - componente do airbag

 

Mola Relógio (contato rotativo)

Localizada no volante, a mola relógio permite o contato constante entre os terminais de contato do airbag do condutor com a central durante o movimento do volante.

Mola relógio - componente do airbag
Mola relógio - componente do airbag

 

Lâmpada de Anomalia

Indicação no painel de instrumentos do veículo, é responsável pela informação de qualquer mal funcionamento em algum dos componentes do sistema.

Lâmpada no painel de instrumentos indicando anomalia no sistema airbag
Lâmpada no painel de instrumentos indicando anomalia no sistema airbag

 

Cuidados básicos na manutenção do airbag

Ao receber um veículo com indicação de falha no airbag é extremamente importante, antes de qualquer manutenção nos componentes, a desabilitação do sistema para que uma ativação indesejada das bolsas de ar não ocorra. Este é um procedimento para a própria segurança do reparador.

Como desabilitar o sistema de airbag?

O reparador tem duas opções para executar a inativação do sistema:

  • Através de um scanner de diagnóstico automotivo - Ao selecionar opções avançadas ou procedimentos específicos do aparelho é possível desabilitar a função do airbag.
  • Através do desligamento dos cabos de bateria do veículo - A orientação é de 60 minutos em repouso para a inativação completa.

 

Defeitos mais comuns no sistema de airbag

Uma breve conversa com seu cliente no recebimento do veículo pode resultar em uma economia de horas para o diagnóstico. Um alinhamento de direção realizado sem informação técnica ou até mesmo uma higienização feita no interior do veículo podem ser a causa de um mal funcionamento do sistema.

Em nosso suporte técnico, disponibilizado para assinantes Enciclopédia Automotiva Doutor- IE Online, identificamos as causas mais recorrentes de defeitos no sistema airbag em diferentes veículos:

  • Alimentações positivas e negativas da central (zinabre nos fusíveis, conectores e pontos de aterramento).
  • Conectores intermediários embaixo dos bancos (pontos comuns de mau contato, analisar integridade do chicote).
  • Instalação incorreta da mola relógio (contato rotativo).

 

Alimentações positivas e negativas da central (zinabre nos fusíveis, conectores e pontos de aterramento)

Antes mesmo de realizar a substituição de qualquer sensor indicado pelo scanner de diagnóstico, o mau contato provocado por zinabre pode ser a causa do sintoma apresentado.

Verifique com atenção as alimentações nos conectores da central, assim como os pontos de aterramento e fusíveis indicados no circuito elétrico.

Você sabe ler os diagramas elétricos? Temos um ebook explicando. Baixe agora, é grátis.

Conectores intermediários embaixo dos bancos (integridade do chicote)

Através de uma higienização realizada no interior do veículo ou até mesmo pela batida dos pés dos ocupantes abaixo do banco traseiro, os conectores intermediários localizados embaixo dos bancos podem soltar ou começar a apresentar mau contato, defeito recorrente em pré tensionadores e bolsas laterais.

Outra dica é a verificação da integridade do chicote, muitas vezes a indicação de falha de componentes mostrada no scanner é ocasionada pelo chicote.

Instalação incorreta da mola relógio (contato rotativo)

Ao ser realizado o alinhamento do veículo em alguns casos é necessário o ajuste do volante, para isso o reparador desmonta a parte frontal do volante e retira tanto a bolsa inflável como o volante e a mola relógio.

A mola relógio possui uma posição ideal para que haja o contato entre o airbag e UCE no esterço total para ambos os lados do volante. Quando a mola está mal posicionada pode ocorrer o rompimento da fita de contato ao girar o volante até o fim do seu curso.

Dica de ajuste:

Alguns modelos de molas-relógio apresentam um pino trava de segurança que indica e posiciona de forma correta o ângulo certo no momento da desmontagem. Em situações em que não existe essa marcação é indicado o seguinte procedimento:

  1. Rotacionar levemente o contato rotativo para um lado até atingir o batente final.
  2. Rotacionar levemente o contato rotativo para o lado oposto contando o número de voltas
    completas até atingir o batente final.
  3. O centro da mola relógio e a posição correta de instalação é a metade do número de voltas completas entre os batentes.

 

Valores de resistência em bolsas e pré tensionadores

Em nossas pesquisas de campo a equipe de desenvolvimento da Doutor-IE realizou uma série de testes em uma Ford Edge (ano 2013), nas bolsas do condutor, bolsas do passageiro, bolsas laterais e pré tensionadores.

Atenção: Para medir os valores de resistência desses componentes o ideal é utilizar o scanner de diagnóstico para uma leitura precisa e segura. Por questões de segurança para o reparador não é recomendado efetuar teste de resistência com multímetro. Além disso, o teste de resistência com multímetro pode acusar valores diferentes e ocasionar um diagnóstico incorreto.

Bolsa do airbag estoura com o multímetro: Mito ou verdade? Temos um outro post aqui do blog mostrando o teste. Clique aqui e saiba o risco!

No exemplo da Ford Edge os valores de resistência são de 2,5 até 3,5 ohms.

  • Resistência da Bolsa do Condutor (2,5 - 3,5 ohms)
  • Resistência da Bolsa do Passageiro (2 - 3 ohms)
  • Resistência das Bolsas Laterais (2 - 3 ohms)
  • Resistência dos Pré Tensionadores (2 - 3 ohms)

 

Teste Básico (simulação) de um dispositivo pré tensionador

Em uma situação hipotética (muito comum) imagine que seu scanner esteja indicando a falha na bolsa lateral do motorista. Um procedimento de diagnóstico ágil e eficaz pode ser feito da seguinte forma:

  1. Aplicar uma resistência elétrica de aproximadamente 2 a 3 ohms para sabermos se o defeito está no chicote ou na bolsa.
  2. Permanecendo a falha, aumentam as chances do defeito estar na integridade do chicote, nas conexões ou na central de comando.
  3. Se, após a realização do teste 02 o defeito permanecer, o defeito pode estar no conjunto da bolsa inflável.


 

Se você quiser saber um pouco mais sobre o sistema de segurança airbag, assista a explicação no vídeo abaixo. O vídeo é antigo, do baú de relíquias, mas o conteúdo é extremamente válido!

 

Quer ter acesso a diagramas completos do sistema AIRBAG?
Conheça a Enciclopédia Automotiva Doutor-IE Online!