Fiat Toro Turbodiesel com falha P0336. O que pode ser?

Fiat Toro Turbodiesel 2.0 com falha P0336. O que pode ser?


Assista o vídeo ou leia o conteúdo completo sobre a resolução do problema do veículo Fiat Toro Multijet Turbodiesel apresentando o código de falha P0336! O conteúdo é parte de uma live com o Suporte Técnico da Doutor-IE.

Veículos:

  • Fiat Toro Multijet 2.0 16V Turbodiesel 170cv (55263088)/EDC17 C69

fiat toro 2.0 com falha P0336

Detalhes iniciais:

O veículo chegou na oficina do nosso cliente com o motor desligado e ao tentar dar a partida, o motor girava e não entrava em funcionamento;

A unidade de comando do motor estava gerando código de falha P0336. Consultando a Plataforma Doutor-IE este código tem a seguinte descrição:

  • Falha no Circuito Elétrico do Sensor “A” de Rotação do Motor (CKP) (Crankshaft Position Sensor “A” Circuit Range/Performance).

Para entender mais sobre os códigos de falhas, temos um conteúdo exclusivo.

De acordo com relato do proprietário do veículo, o problema aconteceu após o carro passar por um alagamento.

Diagnóstico:

Baseado no código de falha observado, o cliente, que já possuía experiência em diagnósticos avançados, inicialmente coletou o sinal do sensor de rotação do motor do veículo através do osciloscópio a fim de comparar com o oscilograma publicado na Plataforma Doutor-IE e, assim, eliminar a possibilidade de haver algum problema no sensor.

virabrequim do fiat toro 2.0
Virabrequim do Fiat Toro.

A partir da coleta feita pelo reparador através do osciloscópio foi analisado o sinal e, comparando com o oscilograma publicado na Plataforma Doutor-IE, percebeu-se que a contagem dos dentes da roda fônica estava diferente.

oscilograma do fiat toro 2.0
Sinal do sensor CKP coletado pelo reparador.
sinal do sincronismo do fiat toro 2.0
Oscilograma do sincronismo do motor publicado na Plataforma Doutor-IE.

Como podemos observar na coleta feita pelo reparador, a contagem de dentes entre a falha da roda fônica era de 33 dentes. Contudo, no oscilograma publicado na Plataforma Doutor-IE, entre a falha da roda fônica, a contagem é de 58 dentes.

A partir de pesquisas, o consultor da Doutor-IE responsável pelo atendimento concluiu que existe somente um modelo de roda fônica para este motor. Dessa forma, o fato de existirem diferenças entre o sinal coletado pelo reparador e o sinal publicado na Plataforma Doutor-IE, aponta para um problema na própria roda fônica do veículo em análise.

Com isso, o motor foi desmontado a fim de acessar a roda fônica e verificar sua integridade. Ao acessar a roda fônica foi possível verificar que a mesma estava quebrada, como podemos observar na imagem abaixo.

roda fônica do fiat toro quebrada
Roda fônica danificada.

Este caso é interessante, pois originalmente a roda fônica deste motor possui 58 (60 menos 2) dentes. Ou seja, o vão que serve como referência para a UCE do motor, equivale a dois dentes a menos na roda fônica.

Curiosamente, o defeito apresentado na roda fônica do veículo em análise também era de exatamente dois dentes. Isto é, a roda fônica do veículo com defeito possuía a falha original de dois dentes e uma segunda falha de dois dentes quebrados, que era a origem do defeito.

Em uma análise superficial dos oscilogramas, esta coincidência deixa o formato do sinal de rotação do motor defeituoso muito similar ao do motor em perfeito estado, publicado na Plataforma Doutor-IE, o que pode confundir o reparador.

De acordo com o relato do proprietário do veículo, o problema surgiu depois do veículo ter passado por um alagamento. O defeito aconteceu em virtude de um calço hidráulico, que empenou a biela do cilindro mais próximo à roda fônica. A partir desse empenamento, a saia do pistão em movimento de descida colidiu com a roda fônica, danificando-a.

roda fônica biela fiat toro
Simulação do movimento do pistão que ocasionou a quebra dos dentes da roda fônica.
roda fônica biela fiat toro
Simulação do movimento do pistão que ocasionou a quebra dos dentes da roda fônica.

Solução encontrada:

Após realizar a troca da roda fônica, dos componentes danificados pelo calço hidráulico, remontar o motor e excluir o código de falha, o veículo voltou a funcionar normalmente.

Vale salientar que a coleta de sinais via osciloscópio é muito útil pela facilidade de avaliar a integridade dos componentes a partir da análise do sinal, sem que seja necessário a remoção de peças.

Neste caso, a coleta do sinal do sensor de rotação CKP serviu para avaliar a integridade da roda fônica, que nesse veículo é parafusada no virabrequim. Se a roda fônica estivesse em perfeito estado, isto seria percebido através da análise de sinal no osciloscópio e não seria necessário desmontar o motor para acessá-la.